Como é possível chegarmos ao ponto de prejudicarmos a nossa própria população? O Humanizar deixou de existir? Espero que o Estado pense que se não pagar as contribuições vai haver pacientes a pagar sem culpa alguma.
Ana Santos, 25.09.2012
As farmácias estão a viver uma profundíssima crise, fruto de inúmeras medidas que foram sendo tomadas desde 2005 e que nos últimos dois anos foram muito agudizadas.
Carlos Barbosa, bastonário da Ordem dos Farmacêuticos, 24.09.2012
Neste momento o setor de distribuição de medicamentos à população está em causa.
Alexandra Araújo, Farmácia Cortes Pinto, 24.09.2012
Temo que esta seja uma das farmácias que esteja na eminência de fechar.
Alda Gonçalves, Farmácia São Roque da Lameira, 24.09.2012
Temo fazer parte da estatística do desemprego. Nunca pensei que o setor chegasse a este ponto.
Jaime Fernandes, Farmácia São Roque da Lameira, 24.09.2012
Comigo já não há nada a fazer, já encerrei. O que peço é que façam alguma coisa pelas farmácias que ainda estão abertas. E rapidamente.
Amélia Rodrigues, ex-proprietária da Farmácia Loureiro, Régua, 24.09.2012
As coisas pioram de mês para mês. Neste momento é-nos impossível manter o funcionamento das farmácias tal como funcionavam até há bem pouco tempo.
Duarte Santos, Farmácia Central da Lapa, 24.09.2012
É uma luta de desespero que as farmácias têm. Já despedi funcionários, já pus a farmácia a meia-luz, já cortámos no papel, nos sacos, em tudo… para ver se conseguimos aguentar-nos mais algum tempo.
Queija Ferreira, Farmácia Queija Ferreira, 24.09.2012
Desde que no início da legislatura anterior se invocou a liberalização da propriedade da farmácia que a mesma tem sido "agredida" até ao ponto de falir. Os ditos interesses económicos de grupos que se apoderaram da parafarmácia estão só há espera do "último fôlego" para tomarem eles conta do "negócio". Depois disto acontecer quem mandará nas regras são eles e aí a farmácia voltará a ter lucro. Os utentes é que perdem. Assim sendo, se nada for feito prevejo o futuro da cor do luto: Preto.
Paula Cristina Carapeta de Sá, 24.09.2012
Nós somos o futuro desta profissão. Somos os Farmacêuticos que já serão demasiados para o mercado absorver. Mas não seremos, com toda a certeza, os Farmacêuticos que nada fizeram, enquanto estudantes, para que dentro das suas possibilidades, isso se evitasse.
Teresa Torres, Presidente da Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia, 24.09.2012

Páginas